Na prancheta

Depois de vários rascunhos, cheguei a essa forma: poucos traços
Depois de vários rascunhos, cheguei a essa forma: poucos traços

Já tem nome o filho. Tem nome e alguns espermatozódes em busca da procriação. Cansei do roteiro que vinha cozinhando este ano inteiro. Sabia muito sobre a história: e isso, vejo agora, é um erro. Foi natural partir para outra. Ter um início, um final, um personagem ou algum vestígio de como começar já é o bastante. O autor deve ter uma história que possa causar surpresa a si mesmo, pois ele é o primeiro leitor e deve ser tocado por aquilo que lê. Acho que às vezes a gente fica tentando achar respostas pra tudo e não se dá a oportunidade da dúvida. Você sabe como uma boa história deve ser, você sabe como é um bom desenho: isso já é o bastante. (semana que vem coloco algumas páginas de rascunho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *