Entreviste seus personagens

Seus personagens não precisam ser complexos. Mas você deve conhecê-los, saber com quem você está lidando, que corja é essa que te acompanha. Gostei muito desse post do Dicas de Roteiros, torna objetiva essa análise criativa. Outra dica legal é partir de esteriótipos e ir lapidando ao seu contento (não digo apenas os clássicos tipos heróico, vilão, nerd, mas digo a personagens representativos mesmo, você pode partir do esteriótipo do homer simpsons para criar um pai de família, na medida em que sua história vai ganhando corpo, e seus personagens vida, a casca vai ficando pra trás e ele ganha uma vida própria, distinta do que o originou). Muitas vezes gosto de pegar a idéia central de uma história, tema ou personagem e pesquisar sobre no dicionário. Isso ajuda a ampliar e a entender melhor a matéria com a qual estamos lidando. Uma idéia leva a outra, sempre.

9 Comments

  1. Edson Lima
    28 de dezembro de 2010

    Eu tenho um livro com conteúdo didático de quadrinhos. Então me oriento por essas informações:

    http://www.4shared.com/file/96163578/3c9df991/ficha_de_personagem.html

    Mas esse site de roteiros que acabei de ver tem mais sugestões, a lista do que pode ser trabalhado é bem maior.

  2. Leonardo Pascoal
    3 de janeiro de 2011

    Salve, Edson! Nem todas as perguntas precisam ser usadas, mas acho que é uma boa ferramenta para a criatividade. Vou ver esse link que postou! Valeu! =)

  3. Edson Lima
    5 de janeiro de 2011

    Léo, em falar de personagens, vem cá, voce ganha com seu blog ou trabalha como ilutrador ou editor? Toh formulando melhor meus personagens e eu bem que poderia ganhar alguma coisa por eles. Na sua opinião, uma tira que vai pra um jornal tem que ter conotação política ou em outras vertentes ou o cartunista pode ter a serenidade de apresentar seus personagens apenas pelas suas próprias aventuras?

  4. Leonardo Pascoal
    6 de janeiro de 2011

    Salve, Edson! Eu ganho dinheiro com um trabalho formal, das 11h às 19h, de segunda à sexta. Não ganho nada com quadrinhos, vez ou outra tenho alguma encomenda paga (como foi uma tirinha para a revista Monet) ou ilustração. Quadrinhos é quase um hobby.
    Tirinhas pra jornal não precisam ser políticas, é só olhar o trabalho do Adão, Allan Sieber, Benett, Claudio Mor e tantos outros. A maioria desses autores vive exclusivamente do que ganham com os quadrinhos, mas é um caminho demorado que demanda muito esforço.
    Quero trabalhar com webcomics, porque acho ser o melhor veículo para os quadrinhos atualmente: maior público e maior liberdade. Se os quadrinhos forem bons, com certeza haverá gente interessada em ler. Quem tem leitores, uma hora ou outra conseguirá monetarizar seu trabalho. É nisso que acredito.
    Mas até lá sigo minha vida dupla: quadrinista e diagramador. =)

  5. Edson Lima
    6 de janeiro de 2011

    Muito obrigado.

  6. Edson Lima
    7 de janeiro de 2011

    Não acho bem convincente, mas tudo bem. Vou fazer outra pergunta sem ter que lhe mandar um e-mail, rsrsrs!!!
    Com muitos prós e contras alguns amigos dizem: “faça fanzine, é uma boa experiência!” – outros já olham com ais empreendimento, talvez, dizendo: “você quer viver de quadrinhos ou fanzine?”. Eu tenho boas ideias e pouca publicidade, acho que no final das contas, ter usado os sites de relacionamento e afins para divulgar a revistinha pode ser uma ferramenta de publicidade. Mas…qual sua opinião sobre isso? Acha que fanzine tem futuro, sabe me alertar de como ganhar alguma coisas via internet, pelo próprio blog?

  7. Leonardo Pascoal
    7 de janeiro de 2011

    Edson: Não posso falar sobre como ganhar dinheiro com internet ou com quadrinhos porque eu simplesmente não ganho nada. Se eu estivesse nessa por causa de grana, teria desistido faz tempo. Há formas bem mais fáceis de ganhar dinheiro com menos esforço: quadrinho dá muito trabalho. Quem faz quadrinhos com suas próprias histórias e personagens, em sua grande maioria, faz porque gosta e acaba tendo uma segunda fonte de renda.

  8. Edson Lima
    7 de janeiro de 2011

    É…bem convincente mesmo, cara. Acho que vou dá sequencia ao meu curso de design gráfico e talvez então, trabalhar como ilustrador.

  9. Leonardo Pascoal
    11 de janeiro de 2011

    E, você verá que uma atividade não exclui a outra. Pelo contrário: ajuda muito! Hehe! =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *