Fotos

O roteiro está mais ou menos encaminhado. Será a história de dois demônios que tem uma missão a cumprir. Quero jogar muita coisa de cotidiano na história (o missão é só desculpa para explorar a vida e relacionamentos dos personagens) por isso comecei a garimpar locações. O ideal é tirar fotos (aprendi isso vendo o trabalho do Brian Lee O’Malley), mas fico muito tímido quando tem gente perto (as pessoas ficam um pouco na retranca quando alguém se aproxima com uma câmera, e eu fico muito desconcertado com a situação).

Desenhar em público pra mim já não é tão problemático (prancheta ou caderno não chamam a atenção como uma câmera). Acho que a tática será essa: andar com a prancheta e desenhar o lugar que quero, caso a situação seja propícia eu retiro a câmera da mochila e tasco uma foto.

Gosto do tipo de arquitetura que encontro aqui no bairro da Saúde, em São Paulo. O bom é que nem sempre tem alguém na rua. Mas há outros lugares interessantes em São Paulo que sempre estão cheios.

1 Comment

  1. gabriel
    13 de agosto de 2010

    Pior eu, que tenho vontade de fotografar pessoas. Outro dia vi na internet uma lente falsa que tinha um buraco lateral e um espelho dentro em ângulo de 45º, de forma que você apontava para a frente, mas tirava na verdade a foto do que estava à sua esquerda! Achei bacana. Uma coisa que você pode fazer é colocar a câmera naquele modo no qual você segura o botão e ela vai tirando um monte de foto sem parar, assim você pode só segurar e movimentar devagar, sem precisar parar apontando para um lugar específico. Aí ninguém saca do que você está tirando a foto, é menos pior…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *