Turbulência

Troquei de emprego e, por isso, o tempo dedicado aos desenhos diminuíram bastante. Mas, com um pouco de organização, creio que chego a um ponto de equilíbrio. Tenho lido alguns quadrinhos antigos e estudando alguns materiais teóricos sobre desenho. Preciso de um upgrade nos desenhos se quero desenhar uma história longa. Tempos turbulentos.

6 Comments

  1. Elton Felix
    19 de outubro de 2013

    Força na peruca, amigo! Eu tô pensando em voltar a fazer curso de desenho, pois também penso em fazer histórias longas. Tirinhas são legais, mas sinto vontade de produzir uma trama maior. Tô sempre visitando aqui sedento por novidades. (=

  2. Edson Lima
    22 de outubro de 2013

    Olá, Leo!

    Faz tempo que não nos contactamos. Notei uma mudança em seu site e num distanciamento seu com relação às produções. Eu também estou tendo pouco tempo pra isso, porque estou dividido entre prioridades. Mas enquanto não ponho a mão na massa, vou engavetando meus projetos. Aconselho que também mantenha o foco nos quadrinhos, anotando tudo que for possível como presumo que já esteja fazendo. Estou esperando a Nora Pipe e a leitura legal que tem o site site webcomic… Abração!

  3. Thiago Mallet
    24 de outubro de 2013

    Há um tempo cheguei à conclusão de que brasileiro em geral não gosta de histórias longas em quadrinhos. Prefere a piada rápida, a idéia que se basta em uma página. Depois dê uma olhada na encrenca que eu estou arrumando, rs.

  4. Leonardo Pascoal
    24 de outubro de 2013

    Um comentário comentando os comentários:
    Elton, acho que um pouco de teoria ajuda. Sinto falta de ter uma bagagem mais acadêmica de desenho, mas acho que a prática pode ser um bom modo de tapar esses buracos. Não vejo as tirinhas e as histórias maiores em patamares diferentes, pelo contrário, mas acho que temos que fazer aquilo que seja mais desafiador ou empolgante.

    Grande, Edson! Projetos na gaveta também tenho muitos, apesar de estar com menos tempo ultimamente, minhas mudanças de ares são estratégicas. A meta é ter cada vez mais tempo no futuro, mais tempo para os quadrinhos. Vi que você tem produzido bastante. Parabéns, cara!

    Se eu entendi bem acho que você está continuando a história ‘Crônicas de Tacanhópolis – Samuel’. É isso Thiago? Interessante, cara! Acho que o caminho natural é depois lançar um trabalho impresso. Talvez pelo Catarse. A impressão que temos é que o humor tem um espaço no mercado editorial e com o público. Mas não sei se isso se traduz em carreira para quadrinista. Na verdade sei, e a resposta é não. Eu tenho uma visão pessimista, acho que 99% das pessoas que optarem por fazer quadrinhos próprios (não entrando em uma indústria já estabelecida, como as grandes editoras americanas ou trabalhar com Mauricio de Souza) terão que ter uma segunda profissão. Muita gente trabalha com ilustração, ou com design (web ou impresso), o que na prática é ter outra profissão. Temos que nos “acostumar” com isso, ou buscar uma mídia com mais público pagante. Infelizmente acredito nisso.

    Obrigado pelo apoio, pessoal! Devo-lhes uma cerveja! =)

  5. Elton Felix
    1 de novembro de 2013

    Leonardo, amigão. A vida de quadrinista é difícil pacas. Eu nunca nem me envolvi muito, fiz só umas tirinhas pra um blog extinto já e sofri muito preconceito da família que não entende que não é por dinheiro. Desenho por hobbie, mas é um hobbie que me salva do estresse. Tem gente que toma uma cervejinha, tem gente que fuma, tem gente que pratica esporte; eu desenho. Ah, se você for em algum evento aqui por São Paulo podemos marcar de tomar essa cervejinha. Abraços.

  6. Leonardo Pascoal
    5 de novembro de 2013

    Grande, Elton! Para alguns desenhar vira profissão. Pra mim o desenho está em um microcosmo que me dá acesso ao meu lado lúdico. Desligar-se do mundo e criar é algo maravilhoso. Só nós, desenhadores, temos noção de como é bom esse “vício”. Vez ou outra estou em SP. A gente se esbarra puraí! =D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *