Começando pelo final

Estou testando criar os enredos pensando primeiramente no final. O fim da história é o resultado das conquistas ou não das necessitados do protagonista. Começar a história de forma retrospectiva dá um senso de necessidades narrativas, quais cenas apresentar antes, o quê destacar, o que incluir, o quê omitir. 

Algumas vezes me deparei com esse tipo de conselho nos manuais de roteiro, mas geralmente eles não me convenciam da utilidade desse trabalho retrospectivo. No livro do Ryoki Inoue (Vencendo o desafio de escrever um romance), há uma passagem na qual o autor fala desse artifício de maneira clara e sem grandes dogmas ou mitificações. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *