Feito é melhor que perfeito?

Chegou o momento de criar sua grande obra.
Está tudo em seu lugar: bloco de papel A3 de 150 gramas novinho, lapiseira pentel 0.9 com grafite azul, estojo nunca aberto de canetas staedtler, pincel winsor & newton número 2 com a ponta perfeita, uma bela luminária com luz led, prancheta trident com o ângulo do tampo ajustado da melhor forma possível. Tudo está no seu devido lugar!
Você confere se o celular está desligado: ok! Olha para os lados e se lembra que ainda são 8:00 da manhã e tem o dia todo para se dedicar ao seus desenhos. E que nada, nem ninguém, vai te interromper: hoje é o grande dia! Você finalmente vai desenhar…
E o dia passa.
Agora 10:00 da noite. Você terminou a primeira página da sua grande obra. Orgulhoso, levanta-se da cadeira para ver de outro ângulo seu grande feito. E você olha.
Olha e vê agora desse posição que tem um pequeno erro de proporção no primeiro quadro. Mas tudo bem, é só usar aquela tinta guache branca, procurar uma ou duas referências e tudo certo.
Olhando mais atento, você começa a ver outros pequenos “equívocos”. Dois, três, quatro, cinco detalhes para consertar. Talvez mais duas horas de trabalho resolvam.
Mais duas horas? A dúvida começar a invadir sua cabeça: “melhor seria refazer essa página”! Sua obra prima não poderia começar com uma página tosca como essa. Seria motivo de piada! Erros tão básicos…
Pronto. Você caiu na armadilha da perfeição.
E agora você irá refazer seu trabalho até que ele esteja, ao menos aos seus olhos, perfeito.
Você pode fazer isso, ou pode aceitar suas limitações como parte de quem você realmente é. E encarar os trabalhos como fotografias da sua trajetória de crescimento dentro da forma de expressão que escolheu para se comunicar.
Ambos caminhos são válidos. Mas a escolha é só sua!

2 Comments

  1. Elton Felix
    30 de novembro de 2017

    Eu nunca tive muitos problemas com perfeição. Dos poucos desenhos e quadrinhos que postei na internet é visível como eu me apego pouco aos detalhes com meu traço simplista. Em compensação eu vejo alguns amigos que eu julgo terem muito mais talento do que eu não publicando suas obras ou desistindo de fazê-las pela tal perfeição. É interessante como nem mesmo os elogios vindo de todas as pessoas para quem são mostradas as prévias fazem com que a cobrança de si mesmo extingua a ideia de que aquele trabalho está feio e que não vale a pena continuar ou refazer tudo do zero. Sou partidário de que tudo deve ser mostrado sem muita pretensão de mudar o mundo; seja ele o mundo ao nosso redor ou o nosso próprio mundo. Gosto da ideia de que se publique tudo e que esse tudo mude ao longo dos anos. Sempre com a ideia na mente de que é bom melhorar.

  2. Leonardo Pascoal
    30 de novembro de 2017

    Falou tudo, Elton! Tenho encarado o resultado como uma fotografia do presente, com seus acertos e erros. Sem pretensão nenhuma. E, na real, tem sido uma experiência bem mais legal. Não temos que ter a pretensão mudar o mundo, não é mesmo? Temos apenas que viver bem nele, fazendo o que a gente gosta.
    Muito obrigado pelo apoio de sempre. E gostaria de ver mais desenho seus. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *