Ponto de partida para histórias de FC e Fantasia

Um drama humano forte e consistente, um problema sério que seja importante para o personagem, vai moldar suas ações e decisões ao longo da história, vai movê-lo para dentro da aventura são, como todos sabem, elementos fundamentais de uma narrativa.

Porém, ao pensar em uma história de Ficção Científica, Fantasia ou Terror, o autor deve em primeiro lugar pensar no conceito, mecanismo, mundo, teoria ou fato horripilante que irá abordar. Nesse tipo de história, o personagem vai vivenciar determinado fato extraordinário, sendo o fato em si o principal ponto de partida do autor.

Não quer dizer que os personagens são menos importantes. Pelo contrário, todas as histórias são, em sua essência, sobre experiências humanas, e os personagens são nossas janelas para essas experiências e emoções. Mas em histórias de “gênero”, o suposto fato extraordinário é, em si, elemento fundamental e definidor.

 

Dica de sites sobre escrever

Gosto muito do Dicas de Roteiros, recomendo-o inteiro. Há poucos dias conheci o Escriba Enapuzado e projeto ‘7 coisas que aprendi’, que reune dicas de vários nomes da literatura atual. O melhor texto que li até agora foi da Ananda Santos que está no e-book gratuito que copila os textos antes publicados no site. Há vários outros textos fantásticos no livro eletrônico: vale cada minuto de leitura!

Como andam os projetos

Depois de mais um hiato, um post rápido para registrar os acontecimentos:

1) Fiquei viciado em poker, por três meses, mas já estou curado;

2) Neste meio tempo estudei (material teórico escrito e vídeos tutoriais) alguns fundamentos de desenho, como estruturas básicas, um pouco de anatomia e perspectiva (não tive um grande salto de qualidade, mas abri um horizonte maior, um caminho a ser seguido dentro do meu traço);

3) Pensei em mudar de planos novamente, fazer histórias curtas, ir fazendo e publicando aqui no site e no final juntar tudo em um livro com HQs curtas (como o ‘Crítica’, dos gêmeos, e o ‘Mundo Pet’, do Mutarelli). Por que isso? Para me dar a oportunidade de ver algo pronto em pouco tempo. Está sendo difícil encarar o desenho de Nora Pipe com tão pouca experiência e prática no desenho. Estou enferrujado! Mas no meio do processo de escrever o primeiro roteiro curto, ele se transmutou em algo maior que beira a 60 páginas, tornando-se portanto, um pequeno livro. Acho que não estou formatado para histórias curtas no momento. Vou seguir o fluxo e dar um jeito de transformar meu lado desenhista em um “profissional” ao altura da expectativa do meu lado “roteirista”. O plano é terminar esse roteiro, criar um modo de postar as páginas aqui no site e desenhar em no máximo 1 ano toda a história;

4) Mudei novamente de cidade. Agora tenho um pouco mais de tempo livre para desenhar e minha nova morada tem um pequeno quarto só para o meu “estúdio”. Aos poucos vou me acostumando a me adaptar a novos lugares, mas sinto que sempre serei um eterno estrangeiro;

5) Estou lendo Kafka (Essencial de Franz Kafka), Bukowski (Pulp) e Otomo (Akira).

Turbulência

Troquei de emprego e, por isso, o tempo dedicado aos desenhos diminuíram bastante. Mas, com um pouco de organização, creio que chego a um ponto de equilíbrio. Tenho lido alguns quadrinhos antigos e estudando alguns materiais teóricos sobre desenho. Preciso de um upgrade nos desenhos se quero desenhar uma história longa. Tempos turbulentos.