O crime do Teishouko Preto no Cartase

O Crime do Teishouko Preto
O Crime do Teishouko Preto

Em 2008 participei da Jam Session que aconteceu na livraria HQ-mix fazendo uma página da antológica história de Fumiko. Grandes monstros dos quadrinhos estiveram presentes: Gabriel Bá, Fábio Moon, Mutarelli, D’Salete, Murarelli. Foi um ótima experiência fazer quadrinhos ‘ao vivo’. Para minha surpresa, após esses 4 anos, o idealizador do projeto, o grande Gualberto Costa, está angariando recursos para lançar o álbum compilando as mais de 500 páginas da saga do Teishouko Preto. Quem se interessar pelo projeto, pode conferir os detalhes na página do Cartase.

Não sei

Fiz uma tirinha e alguns roteiros da sequencia da mesma. Não gostei do resultado, vou deixar alguns dias de molho para avaliar se o caminho é esse mesmo. Voltei a um roteiro antigo que abandonei na fase de desenho, li demi vídeo e fiquei chocado com minhas deficiências em vários fundamentos, principalmente em diálogos. Mas sem tristeza. É bom saber o que eu ‘não sei’. Um diagnóstico pode ser o início de uma cura.

Alguns links

Ótimo vídeo falando sobre planejamento de produção e publicação de webcomics de forma a não ter hiatos. Em resumo: 1) faça em etapas (primeiro roteiro, depois thumbs e em seguida os desenhos); 2) produza um ano de publicações antes de postar a primeira página. Outro link interessante é esse, que é o primeiro vídeo de uma série que aborda a Teoria do Diálogo Cinematográfico, feita por Samuel Queles.

Tiras curtas

Ou sou deveras limitado, ou minha mão tem vida própria. A tentativa de fazer uma HQ curta não vingou. No meio da primeira página travei. O desenho não estava funcionando. Após mais algumas tentativas, o roteiro se transmutou em uma pequena sequência em tiras. “Eu posso contar essa história no formato de tiras!” Talvez qualquer tipo de história possa ser contada nesse formato. Peguei um papel A4 e de forma mais natural e menos traumática os desenhos começaram a fluir. Realmente, acho que minha mão direita tem vida própria. E ela desenha só o que ela realmente quer.