Reescrevendo

Encontrei dificuldades em partir para o desenho com o roteiro do jeito que estava. Vou ter que reescrevê-lo deixando mais explicito as informações, alguns detalhes de cena e falas que não estavam desenvolvidos. Antes era assim:

Nora Pipe é uma alienígena. Ela tem bem mais que 200 anos mas ainda se parece com uma garotinha. O segredo? Uma dieta rica em fast food e …

Com esse trabalho de reescrita, ficará assim:

Nora Pipe ao centro, ao redor dela e ao fundo vários planetas.
– Nora Pipe é uma alienígena. – narrador.
– Sim. Sou uma Lupiniana.
– Mas vive na Terra. – narrador.
Nora jogando videogame (talvez um Wii).
– Ela tem bem mais que 200 anos mas ainda se parece com uma garotinha. – narrador.
Em close, ela na cadeira. Narrador fala com ela.
– Qual o segredo, Nora? – narrador.

Devo somar mais uns 10 dias ao meu cronograma, mas creio que depois ficará bem mais tranquilo para fazer os thumbs das páginas e desenhá-las. Afinal, tudo estará pensado e no papel. Sobra o trabalho braçal de desenhar trocentas páginas. Será divertido!

Hora de desenhar?

Se eu estivesse fazendo um roteiro para outra pessoa desenhar, este seria o momento para lapidar o texto e deixar explicito alguns detalhes. Mas sou eu o desenhista. É muito boring ficar reescrevendo passagens e formatando roteiro. Preciso disso? Acho que não. Vou pular essa etapa chata e começar a desenhar. Hora desenhar personagens, cenários etc. Go, go, go!

Nora Pipe

É muito bom dizer que terminei a história. “Nora Pipe e o caso do tenor mudo” está escrita. Claro, é a primeira versão, e como toda primeira versão carece de uma leitura atenta, algumas mudanças, alguns ajustes vitais. Mas está pronta: a história já tem seus personagens, enredo, pontos de virada, brigas, disputas e, um final. Antes de partir para essa revisão vou dar um tempo de uma semana (aproveito para trabalhar em um roteiro de encomenda que mais tarde falo sobre). Acho importante deixar a empolgação desaparecer antes de voltar ao roteiro, acho que só assim conseguimos ver os nossos erros. Falta pouco para o sonhado 100% e partir para o desenho. Até lá!

Método

Tenho usado o texto em formato narrativo (esse método foi dica da Valeria Olivetti), ao invés de trabalhar diretamente os diálogos (eles entram sim, mas de forma indireta, o importante é visualizar em detalhes os elementos da cena, dramas, tensões e ordem dos acontecimentos). A idéia é contruir a história sem se preocupar literalmente com a forma dos diálogos a primeira vista. Tenho gostado da experiência pois é mais rápido e fácil visualizar as cenas, mudar passagens, ordem de acontecimentos e pontos de virada. Quando tiver o texto bem redondo é só transformar essas cenas em diálogos (o que não é um trabalho muito simples, mas o trabalho de criar a história em si já estará pronto).

Pindura 2012

Este ano já tem algumas datas fundamentais. Tenho que terminar algumas tiras para o concurso de ilustração da Folha de S. Paulo até dia 25. Preciso (ou quero) terminar meu roteiro até início de fevereiro e desenhar todo meu livrinho este ano (sonho). E tenho que esperar a nova temporada de Doctor Who, que só deve sair no segundo semestre. Tem gente que usa agenda. Eu uso um método racional de organizar o tempo graficamente, o famoso calendário. Essa peça cotidiana ganhou status de obra gráfica refinada com o surgimento do Pindura há 4 anos. De todas as suas edições, a de 2012 é a que mais gostei: toda em laranja, preto e creme (papel). O meu chegou ontem. Se você quer acompanhar a passagem do ano com estilo, compre o seu aqui.

Descartando idéias

Gostaria de escrever um post dizendo que terminei o roteiro e que começo na próxima semana a desenhar meu livrinho. Mas realidade não é bem essa. A história estava com alguns problemas, sobretudo no meio (creio que começar e terminar não seja um problema, mas como desenvolver esse início para chegar a uma conclusão sim). Tive que me desapegar de certas premissas da história que a primeira vista eram interessantes, mas que agora só estavam atrapalhando. Por isso estou reescrevendo todo o roteiro. Fiz a seguinte pergunta: qual tipo de história quero contar? Com a resposta em mãos, fiz mais uma pergunta: o que devo cortar e mudar para contar essa história? Com isso, cheguei a um plot simples. Uma estrutura clássica de histórias de detetive que funcionaria bem para mostrar aquele mundo e aqueles personagens. A partir daí as idéias começaram a se encaixar de forma mais natural. Alguns personagens desapareceram, outros precisavam mudar. Desapego. Essa é uma boa palavra, e um bom conceito a ser usado quando se escreve um roteiro. Acho que agora vai!

Primeira versão

Terminei a primeira versão do roteiro. Como toda primeira versão, sei que boa parte deve ser revista. Estou planejando usar essa semana para ler alguns roteiros deste site. Tenho percebido que ler roteiros é mais importante que ver os filmes (ou seriados). Está tudo ali. Mostrado em palavras. É mais claro e mais proveitoso como estudo. Quer escrever roteiros, leia roteiros. Símples, mas tendemos a substituir a leitura de um roteiro por ver ou ler a obra acabada. Em tempo: encontrei poucos roteiros para quadrinhos na net (eles normalmente já são escritos com divisão dos quadrinhos, por serem muito descritivos achei esse tipo de roteiro pouco interessante para o estudo), também não achei proveitoso ler os roteiros nacionais (talvez por serem demasiado autorais os nossos filmes). A meta é ir fermentando idéias para a segunda (e desejo definitiva) versão. Quero começá-la na segunda, ou terça que vem. Allons-y!

Escrevendo

Tive que abrir um documento no bloco de notas. Cheguei à conclusão de que não dá para construir o roteiro inteiro confiando apenas na memória e nos rascunhos. Para compor o andamento das cenas e alguns diálogos é preciso escrever: porque é mais rápido e fácil pensar com texto. Mas criar, sobretudo personagens e o enredo principal, não vejo outra forma que não seja desenhando. A história está ficando, digamos, ruim. Talvez um pouco chata. Inocente? Amadora. Talvez. Não importa: minha meta é insistir, até que fique boa (ou que seja o “melhor que eu consigo fazer” — li isso em algum livro para pessoas desanimadas). “Para o alto e avante!”