Reescrevendo

Encontrei dificuldades em partir para o desenho com o roteiro do jeito que estava. Vou ter que reescrevê-lo deixando mais explicito as informações, alguns detalhes de cena e falas que não estavam desenvolvidos. Antes era assim:

Nora Pipe é uma alienígena. Ela tem bem mais que 200 anos mas ainda se parece com uma garotinha. O segredo? Uma dieta rica em fast food e …

Com esse trabalho de reescrita, ficará assim:

Nora Pipe ao centro, ao redor dela e ao fundo vários planetas.
– Nora Pipe é uma alienígena. – narrador.
– Sim. Sou uma Lupiniana.
– Mas vive na Terra. – narrador.
Nora jogando videogame (talvez um Wii).
– Ela tem bem mais que 200 anos mas ainda se parece com uma garotinha. – narrador.
Em close, ela na cadeira. Narrador fala com ela.
– Qual o segredo, Nora? – narrador.

Devo somar mais uns 10 dias ao meu cronograma, mas creio que depois ficará bem mais tranquilo para fazer os thumbs das páginas e desenhá-las. Afinal, tudo estará pensado e no papel. Sobra o trabalho braçal de desenhar trocentas páginas. Será divertido!

Hora de desenhar?

Se eu estivesse fazendo um roteiro para outra pessoa desenhar, este seria o momento para lapidar o texto e deixar explicito alguns detalhes. Mas sou eu o desenhista. É muito boring ficar reescrevendo passagens e formatando roteiro. Preciso disso? Acho que não. Vou pular essa etapa chata e começar a desenhar. Hora desenhar personagens, cenários etc. Go, go, go!

Nora Pipe

É muito bom dizer que terminei a história. “Nora Pipe e o caso do tenor mudo” está escrita. Claro, é a primeira versão, e como toda primeira versão carece de uma leitura atenta, algumas mudanças, alguns ajustes vitais. Mas está pronta: a história já tem seus personagens, enredo, pontos de virada, brigas, disputas e, um final. Antes de partir para essa revisão vou dar um tempo de uma semana (aproveito para trabalhar em um roteiro de encomenda que mais tarde falo sobre). Acho importante deixar a empolgação desaparecer antes de voltar ao roteiro, acho que só assim conseguimos ver os nossos erros. Falta pouco para o sonhado 100% e partir para o desenho. Até lá!

Método

Tenho usado o texto em formato narrativo (esse método foi dica da Valeria Olivetti), ao invés de trabalhar diretamente os diálogos (eles entram sim, mas de forma indireta, o importante é visualizar em detalhes os elementos da cena, dramas, tensões e ordem dos acontecimentos). A idéia é contruir a história sem se preocupar literalmente com a forma dos diálogos a primeira vista. Tenho gostado da experiência pois é mais rápido e fácil visualizar as cenas, mudar passagens, ordem de acontecimentos e pontos de virada. Quando tiver o texto bem redondo é só transformar essas cenas em diálogos (o que não é um trabalho muito simples, mas o trabalho de criar a história em si já estará pronto).