Os anos passam

Cara, estou chegando perto dos 30. Isso é assustador. Ainda tenho viva a imagem de quando estava prestes a começar o ensino médio, parece até que foi ontem, mas foi há 15 anos! Se minha percepção de tempo se manter na mesma velocidade, amanhã terei 45 e na sexta-feira já estarei aposentado. O único fato que me consola é que a alternativa ao envelhecimento não é nada agradável. Em outras palavras, antes ficar mais velho que morrer jovem.

Uma idéia

Quero experimentar fazer as tiras com enredo. Mais ou menos como arcos narrativos: pegar um tema e seguir ele durante um tempo, desenvolvendo uma pequena trama se possível. Acho que é um bom desafio: não é impossível de ser feito, mas traz uma motivação a mais. O resultado pode ser interessante.

Duas por semana

Semana passada fiz 4 tiras em 4 dias. Na sexta-feira estava exausto e não consegui desenhar (talvez se não tivesse que ter um trabalho formal e apenas desenhasse as tiras a situação não fosse a mesma, mas vamos lidar com a realidade). Por isso, pelo menos por hora, vou reduzir as publicações para 2 tiras semanais. Com esse ritmo mais realista vou conseguir fazer meu estoque de tiras (o que vai permitir ter alguns dias de folga ou ousar em roteiros e formatos mais complexos). Também vou poder fazer algum tipo de atividade física: estou chegando aos 30 e a gravidade tem mostrado seu poder.

Você não precisa

Ninguém precisa fazer quadrinhos. Sério: se dedicar a uma atividade exaustiva e sem perspectivas concretas de carreira é desnecessário. Você gosta de desenhar? Seja ilustrador. Apesar de igualmente exigente e ter um mercado restrito, é concreto a perspectiva de se ter uma carreira (eu sei disso, eu já fui ilustrador). Como ilustrador, basta insisitir, evoluir e aprender. Já como quadrinista, você sempre terá que se sustentar com outro tipo de trabalho, ou então entrar na roda da indústria, sendo apenas um parafuso na engrenagem. Embora realmente acredite nisso eu continuo fazendo quadrinhos. Não por masoquismo. Continuo porque é muito bom! Continuo porque é muito bom viver alguns momentos imerso na realidade dos personagens. Talvez seja mais por isso: acho que as fagulhas de imersão nas histórias são como droga pesada. Com o tempo você acaba viciando. Só resta alimentar o vício.