Métrica na construção de uma história

Tenho percebido que preciso de uma estrutura fixa de quadros em uma página, tanto para desenhar, quanto para escrever os roteiros.
Acho que esses grids funcionam como uma métrica. Estruturam e dão ritmo ao discurso.
Estou com algumas imagens de uma nova história na cabeça. Agora é hora de transformar esses vultos em uma espécie de música escrita.

Começando pelo final

Estou testando criar os enredos pensando primeiramente no final. O fim da história é o resultado das conquistas ou não das necessitados do protagonista. Começar a história de forma retrospectiva dá um senso de necessidades narrativas, quais cenas apresentar antes, o quê destacar, o que incluir, o quê omitir. 

Algumas vezes me deparei com esse tipo de conselho nos manuais de roteiro, mas geralmente eles não me convenciam da utilidade desse trabalho retrospectivo. No livro do Ryoki Inoue (Vencendo o desafio de escrever um romance), há uma passagem na qual o autor fala desse artifício de maneira clara e sem grandes dogmas ou mitificações.