Mais um pouco sobre as HQs que compõe ‘Deslocados’

Os desenhos abaixo são da história ‘Pés de Galinha’. Esse quadrinho nasceu de um micro conto que escrevi a partir da expressão popular para designar marcas de expressão próximas aos olhos. Minha ideia era usar o termo de forma literal: e se alguém de fato tivesse pés de galinha?

Quando vou desenhar a partir de um roteiro que escrevi inicialmente como texto, levo algum tempo para desenvolver o visual desses personagens e deste mundo da história. Eu preciso encontrar “a cara” do personagem. Quando descubro seu visual, é como se o personagem de fato ganhasse vida.

Gosto bastante dessas personagens, tanto que elas aparecem com algum destaque na capa e na quarta capa do livro. E, quem sabe, algum dia volto a desenhá-las em outras histórias?

‘Deslocados’ é meu primeiro álbum em quadrinhos e já está a venda diretamente comigo aqui.

Desenhos no caderno (speed drawing)

Alguns desenhos de possíveis personagens para a história que estou escrevendo. São rascunhos soltos usando alguma imagem de referência.

Estou há algum tempo escrevendo uma história que será um pouco mais longa do que as que estou acostumado a desenhar. Tenho os pontos importantes do roteiro delineados, mas estou escrevendo e rascunhando os caminhos que levam a esses pontos.

E é legal deixar se levar por esses caminhos, e chegar a outros lugares não previstos.

Hoje tive uma ideia para uma cena que me empolgou pelas possibilidades. E gostaria muito de compartilhar isso, porém, seria um grande spoiler da história. E isso é muito angustiante, porque acho que essa cena vai estar lá pela página 40 da HQ. E sei que vou demorar um bom tempo desenhando até chegar a esta cena e poder de fato mostrar para as pessoas.

Faz parte.

Bom, por hora é isso. Um grande abraço a todos!

O desenho completo:

Como foi o lançamento de ‘Deslocados’ na Bienal de Curitiba 2023

Foi minha primeira vez na Bienal de Quadrinhos de Curitiba e já estou ansioso para a próxima!

Como sempre, tenho baixas expectativas. Pensava que venderia entre 10 e 20 livros na Bienal. Afinal, faz muito tempo que não publico algo. Meu alcance nas redes sociais são, digamos, tímidas. Enfim…

Mas parece que tudo deu bastante certo. Houve reações muito positivas ao livro, seja pela capa, seja pelo conteúdo. E o público reagiu bem adquirindo o álbum. Foram mais de 80 edições nos 4 dias de evento. Fiquei bastante surpreso com o resultado!

Não só os números foram positivos. Conversar com as pessoas sobre o quadrinho foi mágico. Vou guardar na memória talvez não o nome de todos com quem conversei, mas os rostos das pessoas, suas palavras e reações. Por isso digo a todos que estiveram presentes: muito obrigado! Muito obrigado mesmo! 🙂

Foi muito bom também rever amigos artistas que há muito não encontrava dos quais gosto muito e pegar seus mais recentes trabalhos.

Também fiz novos amigos e tomei contato com artistas incríveis que conhecia só pelas redes sociais ou pelo trabalho impresso, ou ainda, via catarse.

Toda uma nova geração diversa e com trabalhos ricos e empolgantes. Pessoas engajadas com seu trabalho, dedicando suas vidas a esse ofício solitário, árduo e apaixonante que é fazer quadrinhos.

Além do pessoal da imprensa especializada que deu aquela força sem a qual o evento e as obras expostas não teriam o mesmo alcance.

Infelizmente não consegui rodar todas as mesas individualmente como gostaria.

Obrigado ainda à Cafe Espacial na figura de Sergio Chaves e Francylene Silva, e à Letícia Las Casas por ter ajudado na mesa. Sem vocês seria impossível! 🙂

PS. Se você não adquiriu o livro, pode comprar aqui na nossa lojinha autografado.

PS2. Na minha conta do instagram tem mais fotos.

Um pouco sobre as histórias de ‘Deslocados’ #4

Mais um pouco sobre as HQs que compõe ‘Deslocados’.

O desenho em destaque é da história ‘Viver é lidar com a dor de existir’. Nesse quadrinho fiquei imaginando como seria a vida de uma pessoa que de tão deformada fisicamente se parecesse com um peixe.

Gosto bastante dos desenhos dessa história nos quais usei, para elaborar o ambientação, imagens dos corredores do Copan e minhas memórias do apartamento de 1 quarto que morei durante cinco anos no bairro da Saúde em São Paulo-SP.

A versão dessa HQ que está em ‘Deslocados’ tem seu final totalmente reformulado. Embora gostasse da história, não gostava de como ela era concluída. Então, tive que fazer um esforço de voltar ao estado mental que me motivou a escrever e desenhar essa narrativa para, a partir daí, chegar a conclusão necessária para essa breve HQ de 4 páginas.

Gosto de pensar que o final definitivo já estava escrito, só faltava eu tirar as camadas de tinta que estavam atrapalhando ele transparecer.

‘Deslocados’ é meu primeiro álbum em quadrinhos e já está em pré-venda no site cafeespacial.com e também diretamente comigo aqui no site.

Lembrando que o lançamento será entre 7 e 10 de setembro na Bienal de Curitiba na feira Muvuca, com sessão de autógrafos na programação do evento no sábado.

Qualquer dúvida é só colocar nos comentários deste post ou no inbox do instagram.

Vídeo abrindo a prova gráfica de ‘Deslocados’


Gravei um videozinho abrindo a prova de cor e o boneco de ‘Deslocados’ que veio da gráfica.

É muito dahora ver o aquilo que só estava na tela do computador tomar forma física.

Foi necessário apenas alguns pequenos ajustes nos arquivos finais para dar o ‘ok’ pra gráfica começar o processo de impressão de fato.

Foram algumas noites mal dormidas até chegar a esse ponto. Mas está valendo a pena.

Muito obrigado ao @sergiochaves, pela parceria e disposição de ficar até altas horas testando opções de cores e corrigindo pequenos bugs. Haja café para aguentar acordado! XD

‘Deslocados’ é meu primeiro álbum em quadrinhos que será lançado durante a @BienalDeQuadrinhos de Curitiba, e já está em pré-venda no site da Cafe Espacial e também diretamente comigo autografado e com frete grátis no aqui na minha lojinha.

Um pouco sobre as histórias de ‘Deslocados’ #3

Mais um pouco sobre as HQs que compõe Deslocados.

O desenho em destaque é da história ‘Esperança’. Nesse quadrinho, mais uma vez, uso a linguagem narrativa que é bem natural pra mim: a primeira pessoa.

O objetivo era retratar um trecho da vida de um personagem que é um sociólogo que optou por trabalhar como garçom em uma bar.

Gosto bastante do resultado gráfico dessa história que reflete um período de transição entre as tiras que eu fazia e as histórias curtas que tenho feito.

Deslocados é meu primeiro álbum em quadrinhos e já está em pré-venda.

‘Deslocados’ já a venda!

Deslocados já está em a venda. O álbum reúne 23 histórias em quadrinhos curtas em 96 páginas. Adentre nesse mundo de realismo fantástico em meio a narrativas kafkianas. Você vai encontrar histórias de pessoas comuns, tais quais eu e você, que vivenciam momentos decisivos, engraçados, reflexivos ou de horror, com visões e experiências insólitas.

Um pouco sobre as histórias do álbum #2

O desenho é da história ‘Lidando bem com críticas’. Que faz parte da seleção que estará no meu livrinho que dentro de alguns dias vai estar em pré-venda.

Esta história é de um período que eu andava muito crítico com o meu trabalho em quadrinhos. Ao ponto de ser difícil produzir, porque tudo que eu fazia parecia ser horrível. Foi um processo lento e longo aprender a lidar com essa cobrança interna.

Entender que o nosso pior crítico pode ser a gente mesmo.

Um pouco sobre as histórias do álbum

O desenho acima é da história ‘Sobreviver’ que abre o livro. Eu desenhei esta história quando estava fazendo um freela preenchendo áreas negras dos originais do grande Gabriel Bá em 2010. Talvez por isso acabei usando muito preto nos personagens e no fundo. Algo que gosto até hoje de fazer.

O personagem foi inspirado num tipo comum que eu via na universidade: das pessoas que não querem se formar, resistem a sair da condição de estudante e enfrentar o mundo aqui de fora, e acabam prolongando a vida acadêmica indefinidamente. O que, ao meu ver, é uma atitude válida e, em vários aspectos, corajosa.

Essa história é muito importante pra mim pois foi publicada na Café Espacial e, se não me fala a memória, foi exposta em pelo menos duas exposições: Rio Comicon de 2010 e Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja de 2015 dentro da exposição “Café Espacial à Quinta”.