Abismo #3
‹‹ First ‹ Prev Comments(0) Next › Last ››


A procura de estilo um sintético

Nesta ótima entrevista do Ramon Vitral com o quadrinista norueguês Jason, o artista fala da busca por um estilo menos realista por, entre outras razões, demora em finalizar um trabalho mais convencional:

“O meu primeiro álbum foi desenhado com um estilo muito realista, mas não fiquei muito feliz com o resultado e demorou muito tempo pra finalizar, então passei a tentar outros estilos e os personagens antropomorfizados surgiram. Eles pareciam encaixar no tipo de histórias que eu queria contar: fábulas”

JASON

É notável no quadrinho autoral (ou todo aquele fora do mainstream das grandes editoras), uma certa tendência para o preto e branco e a estilos menos realistas.

São características tanto por opções estéticas, quanto porque é o que é viável ser feito, porque esses autores normalmente fazem todo o trabalho sozinho.

Sempre tive uma predileção ao estilo mais sintético. Mas também gosto de algum grau de realismo, sobretudo nos cenários. O que me tem levado a estudar mais os fundamentos do desenho, como a perspectiva, luz e sombra.

Nessa linha, gosto bastante do trabalho do Jaques Tardi e Taiyo Matsumoto.

O seu estilo acaba sendo algo entre tudo que nos influencia, nossas limitações técnicas e a eterna busca por experimentar.

Quero encontar um caminho que seja estilizado, mas que carregue um certo grau de realidade, sobretudo nos cenários, mas, assim como Jason, que ao mesmo tempo seja consiso e se encaixe no tipo de histórias que gosto de fazer.

Recorde de “Abismo”, quadrinho em produção.

Não quebre a corrente

Tenho me esforçado em desenhar nem que seja um traço todos os dias.

Dor de cabeça, dia cheio. Não importa, um traço pelo menos. Vou lá, ligo o computador, abro o arquivo da história que estou desenhando no velho manga studio ex, coloco uma trilha sonora e vou fazer o traço.

O objetivo é manter a fogueira sempre acesa.

Tenho percebido que mesmo em dias complicados, alguma coisa interessante fica no papel. E as vezes não é o desenho.

Desenhar é um músculo que precisa ser exercitado todos os dias, senão atrofia.

Se for esperar tudo estar perfeito para poder se dedicar a sua arte, esse dia nunca vai chegar.

Devolvendo

Estou acabando de ler o livro “50 Crônicas” de Lucimar Mutarelli. Linda obra. Me trouxe de volta ao início dos anos 2000, quando acompanhava blogues na época da internet movida à lenha (como o do Lourenço), e também à leitura do “O capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio” do Charles Bukowski.

Deu até vontade de manter um blog mais ativo, com postagens regulares, como fazia antes aqui mesmo neste espaço, quando ainda era um estudante universitário de vinte e poucos anos.

Léxico

Pão com manteiga. Marimbondo. Gamela. Desmaio. Mergulho. Velho barreiro. Ovo de lagartixa. Borracha de duas cores. Sangue. Copinho de bochecho. Escada vazada. Macuco. Bicho de pé. TV Semp Toshiba. Rambo. Penumbra. Pão sovado. Bicicleta vermelha. Atari 2600. Relógio do Paraguai. Videocassete mitsubishi. Ficha de locadora. Desegraph Trident 0.1. Akira na biblioteca. Mad Dog. Leite gelado no saquinho. Gianini. Praça da Sé. Pizza de frango com catupiry. Abraço. Banca de revistas. Banda cover. Calça larga. Cine São Luiz. Casa vazia. Óculos de grau. Man in the box. Japonesa. Senhor dos Anéis. Forsaken. Cheiro de tinta. Biblioteca. Casquinha de sorvete. O ‘x’ da questão. Computador emprestado. Zipmail. Alojamento. Praça do relógio. Surto. Copam. Itaquaquecetuba. Barraca emprestada. Estrada da aldeia. X-Crusp. Marmita dividida. TV de quatorze polegadas. Gibiteca Henfil. Resma. Inteligível. Caros Amigos. Abril. Negrito. Modelo vivo. Avenida Ceci. Baratos da Ribeiro. Fundação Carlos Chagas. Saúde. Brigadeiro. Colchão roubado. Terraço. Allstar. Suicídio. Sebo. Refluxo. Celta vermelho. Monte Rei. Avenida São Joaquim. Rodoviária. Pão de queijo. Tudão. Terno. Banri. Sapato social largo. Aspones. Bolor. Hospital do Rim. Uruguai. Tô na Heiniken. Pé de limão. Crawl, costas e peito. Triângulo de encostar. Coxinhas douradas. Carvão, lápis e nanquim. Salto grande. Cimento. Laje. Buraco. Recomeço.

Pedra pomes

Não me lembro bem como começou. Eu estava apenas de passagem por aquela rua. Devia ter entre nove ou dez anos e, quando percebi, estava no meio de uma chuva de pedras.

Do outro lado do quarteirão, meia duzia de moleques descalços. Em cima de um monte de pedra brita, na calçada de uma casa em construção, eles enchiam a mão e jogavam as pedras em minha direção.

Algumas pedras caiam à 4 ou 5 metros antes de chegar a mim. Essas quicavam com menos força, e eu conseguia desviar com facilidade. Outras vinham muito altas, e só as via quando caiam ao meu lado.

Algumas acabavam me acertando. Riscando minha pele. Por isso eu tentava me afastar em zigue e zague.

Aos poucos, outros garotos da rua foram surgindo. Alguns ao meu lado. E estes começaram a devolver as pedras. Era de fato uma guerra para alguns deles. Tentavam mirar e calcular qual ângulo seria mais eficiente. Vibravam quando tiravam fino de alguém. Riam quando as pedras caiam no telhado de uma casa.

De fato era apenas uma brincadeira. Ninguém, seja de qual lado fosse, queriam machucar o oponente.

Foi então que se ouviu um grito de dor.

O garoto mais alto do lado de lá levantou as mãos e fez um sinal “parou, parou, parou!”. E as pedram pararam de vir. E depois, de ir.

Os de lá se reuniram em volta do garoto que estava abaixado com a mão no rosto. Dava pra ouvir as ultimas pedras jogadas ainda quicando no chão. Todos em silêncio.

Os de cá, começaram a se afastar. Foram para as suas casas. E eu, que não morava naquela rua, fui embora.

Ao virar a esquina, lembro que escutei uma mãe. “O olho, o olho!” Foi o que ouvi.

A pedra que amacia a pele e a mesma que fere a carne.