Direto da prancheta

Estou trabalhando nessa HQ que será minha primeira história um pouco maior. A princípio algo como 60 páginas (podendo variar para mais ou menos a depender do meu fôlego e dos caminhos que posso tomar em determinado ponto do enredo).

Talvez as histórias curtas sejam meu formato ideal e não vou abandoná-las. Já tenho alguns roteiros prontos e é provável que vou intercalar períodos de trabalho nessa história maior e nas curtas.

De qualquer forma, é muito bom se desafiar às vezes.

Posso quebrar a cara (e não seria a primeira vez), mas quero pelo menos tentar.

Sinto que é essencial nas artes e na vida estar sempre experimentando algum caminho diferente ou uma nova perspectiva. Nos faz sentir vivos esses desafios.

Vez ou outra pretendo colocar algo do processo aqui. Um abraço!

Live sobre o ‘Deslocados’ no dia do quadrinho nacional

Participei de uma live com o pessoal muito legal do Yellow Talk Cast no dia do quadrinho nacional, falando sobre o Deslocados e sobre a minha “carreira” como quadrinista.

Quer sentir um pouco de vergonha alheia? Olha só o drama:

O pessoal do Yellow Talk tem um trabalho muito legal de divulgação e debate sobre os quadrinhos publicados no brasil, sejam eles feitos por brasileiros ou não.

Se não conhecia o canal deles, segue lá e acompanhe. Tem o site também, que é esse aqui.

Na prancheta

Roteiro pronto para uma nova história. Pronto entenda: escrito e desenvolvido o suficiente para poder desenhar. Como eu mesmo desenho as histórias, dessa vez vou me dar a liberdade e abertura de incorporar o acaso ao processo.

Explico: há passagens na história que estão definidas no texto, mas podem ou não serem aumentadas ou diminuídas, de acordo com a evolução dos personagens ao longo do processo de desenho das páginas.

Desta vez, serão mais páginas do que estou acostumado a fazer. Algo próximo a 60.

Mas diferente do que aconteceu lá atrás, entre 2008 e 2013, quando tentei e falhei em trabalhar em histórias maiores, acredito que hoje estou com um pouco mais preparado para o desafio.

Não vou abandonar as histórias curtas. Tenho roteiros prontos para narrativas breves que pretendo desenhar também ainda este ano.

Mas sabe aquela sensação boa de estar fazendo algo diferente do que já fez? Então. Eu queria encarar esse desafio de fazer uma história maior.

Depois volto às curtas. Pois acredito que ainda tenho muito a contar nesse formato.

E você? O que tem planejado fazer nesse novo ano? Conta aí!

Resenha: ‘Deslocados por Quadrinhos Diários’

Por Quadrinhosdiários (6 de jan 24)

Eu fiquei realmente surpreso com o nível desse quadrinho. E, quando soube que ele já foi publicado em tiras na internet, fiquei imaginando como seria acompanhar isso na época em que foi lançado.

‘Deslocados’ foi uma grande surpresa em 2023, e me encantei demais com a leitura e todo o olhar do autor sobre a vida e como ela é, na pele de pessoas que são deixadas de lado, à margem.

É certamente uma das melhores leituras de 2023 e com certeza, você deveria dar atenção.

Agradeço ao @ljpascoal pelo envio!

Fonte: https://www.instagram.com/reel/C1w4Yi9rUpu/?utm_source=ig_web_copy_link

Resenha: ‘Deslocados por Wagner Cordeiro’

Por Wagner Cordeiro (5 de jan 24)


Antologia de quadrinhos é longe de ser unanimidade no gosto dos colecionadores, ainda mais se tratando de 23 histórias curtas, algumas delas de somente 1 página, de proposta quase capsular, em preto e branco muitas vezes chapados, em outras com tons de cinza, contribuindo para uma atmosfera sempre de melancolia, de pequenas parábolas acerca das idiossincrasias da vida, de desenho cartoonesco na linha intermediária entre o alternativo e o mainstream…

Isso não seria uma boa propaganda, mas é a verdade sobre uma das melhores HQ’s por mim lidas no ano de 2023.

Leonardo Pascoal desfila inteligência nas narrativas, na proposição de ângulos, quadros, diálogos, jogos de luz e sombra, ambientações, alegorias; e, por mais que sejam contos sucintos, não há sentimento de falta nos pontos de vista.

Nesta era de coachs vendendo ideais distorcidos de super-homens, talvez fazendo os ossos de Nietzsche se debaterem no caixão, o gibi parece focar na poesia da imperfeição humana. Impossível, ainda que com humor sutil, não se identificar com alguma situação, com algum personagem gerando um estranho desconforto íntimo misturado com consolo. Neste mundo onde todos tentam parecer descolados, você não está sozinho entre os “Deslocados”.

Na sequência de leitura certas influências são proeminentes, sendo um dos contos quase uma paráfrase de “Metamorfose” de Kafka, porém com uma abordagem bem pessoal, autoral. Ele começa ilustrando alguém preso em seu apartamento olhando pelo vidro da janela com um recordatório:
“Chove lá fora e os transeuntes tentam se proteger. (…)”

Com esta frase, e o delinear da crônica, eu não consigo evitar o paralelo também com “Me chama” do Lobão:
“Chove lá fora e aqui faz tanto frio…”

Em outra curta a citação final de um escritor é direta:
“Camus disse que não ser amado é falta de sorte, mas não amar é a própria infelicidade.”

Na filosofia Albert Camus é relacionado diretamente ao Absurdismo, a corrente mais niilista e pessimista do Existencialismo.
E no mesmo sofrimento da canção supracitada:
“(…)
Nem sempre se vê
Mágica no absurdo”

Leonardo, o nosso mágico, viu.

Fonte: https://www.instagram.com/reel/C1uzBmpPCIe/?utm_source=ig_web_copy_link&igsh=MzRlODBiNWFlZA==

Como foi a Feira OGRA 2023

Obrigado a todos que colaram lá na Feira OGRA em São Paulo. O calor estava intenso e choveu, mas nem com isso os fãs de quadrinhos deixaram de prestigiar o evento.

Foi muito bom ter uma oportunidade para mostrar o Deslocados em São Paulo, juntamente com as mais recentes revistas Café Espacial e os Minilivros.rt da Renata Torres.

Também foi muito especial rever os amigos e também fazer novos!

Aos paulistas que não conseguiram ir, fica a dica de que deixei alguns exemplares lá na Ugra. Então dá um pulo lá para conhecer!

É provável que este seja o último evento que irei em 2023, o foco agora é no roteiro do próximo quadrinho que vou desenhar.

Mas com certeza no próximo ano estarei presente em outras feiras e eventos. Pois vale muito a pena esse contato com as pessoas que curtem e fazem quadrinhos.

Só espero escolher melhor o hotel da próxima vez. Porque ficamos praticamente num cativeiro. 🙂

Vou estar na Feira OGRA em SP

Alô pessoal de São Paulo! Vou participar da feira OGRA promovida pela Ugra Press no final deste mês de outubro!

Vou estar vendendo e autografando o Deslocados, meu primeiro álbum em quadrinhos publicado pelo Selo Cafe Espacial. Na mesa também vai ter outras publicações do Selo Café Espacial (Aymará do Laudo Ferreira e edições da Café), algumas raridades como a Isto não é uma revista de terror, além de alguns minilivros da Renata Torres. Só coisa fina! 🙂

A OGRA está em sua segunda edição e acontecerá na Galeria Ouro Velho, na Rua Augusta, 1371, no dia 29/10/2023 das 11h às 19h. Anota na agenda e aparece lá para trocar uma ideia e conhecer muito quadrinho dahora!

Ah! Outra coisa antes que eu me esqueça: tem saído algumas resenhas bem legais sobre o Deslocados. Estou colocando elas numa sessão nova no site chamada imprensa.

Pra quem conseguir ir na OGRA, até lá! E para todo mundo uma ótima semana! 🙂

Desenhos no caderno (speed drawing)

Alguns desenhos de possíveis personagens para a história que estou escrevendo. São rascunhos soltos usando alguma imagem de referência.

Estou há algum tempo escrevendo uma história que será um pouco mais longa do que as que estou acostumado a desenhar. Tenho os pontos importantes do roteiro delineados, mas estou escrevendo e rascunhando os caminhos que levam a esses pontos.

E é legal deixar se levar por esses caminhos, e chegar a outros lugares não previstos.

Hoje tive uma ideia para uma cena que me empolgou pelas possibilidades. E gostaria muito de compartilhar isso, porém, seria um grande spoiler da história. E isso é muito angustiante, porque acho que essa cena vai estar lá pela página 40 da HQ. E sei que vou demorar um bom tempo desenhando até chegar a esta cena e poder de fato mostrar para as pessoas.

Faz parte.

Bom, por hora é isso. Um grande abraço a todos!

O desenho completo:

Como foi o lançamento de ‘Deslocados’ na Bienal de Curitiba 2023

Foi minha primeira vez na Bienal de Quadrinhos de Curitiba e já estou ansioso para a próxima!

Como sempre, tenho baixas expectativas. Pensava que venderia entre 10 e 20 livros na Bienal. Afinal, faz muito tempo que não publico algo. Meu alcance nas redes sociais são, digamos, tímidas. Enfim…

Mas parece que tudo deu bastante certo. Houve reações muito positivas ao livro, seja pela capa, seja pelo conteúdo. E o público reagiu bem adquirindo o álbum. Foram mais de 80 edições nos 4 dias de evento. Fiquei bastante surpreso com o resultado!

Não só os números foram positivos. Conversar com as pessoas sobre o quadrinho foi mágico. Vou guardar na memória talvez não o nome de todos com quem conversei, mas os rostos das pessoas, suas palavras e reações. Por isso digo a todos que estiveram presentes: muito obrigado! Muito obrigado mesmo! 🙂

Foi muito bom também rever amigos artistas que há muito não encontrava dos quais gosto muito e pegar seus mais recentes trabalhos.

Também fiz novos amigos e tomei contato com artistas incríveis que conhecia só pelas redes sociais ou pelo trabalho impresso, ou ainda, via catarse.

Toda uma nova geração diversa e com trabalhos ricos e empolgantes. Pessoas engajadas com seu trabalho, dedicando suas vidas a esse ofício solitário, árduo e apaixonante que é fazer quadrinhos.

Além do pessoal da imprensa especializada que deu aquela força sem a qual o evento e as obras expostas não teriam o mesmo alcance.

Infelizmente não consegui rodar todas as mesas individualmente como gostaria.

Obrigado ainda à Cafe Espacial na figura de Sergio Chaves e Francylene Silva, e à Letícia Las Casas por ter ajudado na mesa. Sem vocês seria impossível! 🙂

PS. Se você não adquiriu o livro, pode comprar aqui na nossa lojinha autografado.

PS2. Na minha conta do instagram tem mais fotos.